domingo, 15 de janeiro de 2012



E perguntaram-me se estava tudo bem. E disseram-me para ter calma com testes, notas, com a minha vida que ainda não vivi e que, por vezes, nem tenho vontade de viver. E pegaram-me nas mãos, e eu temi que conseguissem sentir feridas por sarar, não só na pele mas no espírito.
Mas, olha, a verdade é que não sentiram, não se aperceberam. E eu aceno com a cabeça, faço-me mais presente e finjo apreciar as conversas que se desenrolam à minha frente e digo:
Estou bem.
E já repito isto há tanto tempo que, às vezes, me parece que talvez possa ser verdade. E depois, tão depressa como o vento passa a briza, volto a recolher-me para o mais fundo de mim e penso não é verdade. Não estou bem. Mas não sei falar sobre isso. Não QUERO falar sobre isso.

12 comentários:

  1. Às vezes são estas peqenas coisas que mais falta fazem.

    ResponderEliminar
  2. podes falar, deves falar, encontra um coração que te deixe falar. mas não deixes que as palavras se entalem na garganta e te falte o ar. quando quiseres, estou aqui. és grande e de alma enorme, sinto-o de todas as vezes que te encontro por aqui. um abraço quente.

    ResponderEliminar
  3. Oh, que querida. Obrigada meu doce <3

    ResponderEliminar
  4. então que elas não deixem de ser trocadas, querida catarina.

    ResponderEliminar
  5. Gostei muito das palavras que me dizes-te (:

    ResponderEliminar
  6. Oh, essa é que é a verdade! Obrigada <3

    ResponderEliminar