quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

O Que Atrai, Mas Mata

Pensamentos voam, florescem dos dedos e cruzam o limiar da sanidade.
Não se encontra, perdida no meio do mar, acompanhada apenas dela mesma. Qual das duas pior companhia, o reflexo no espelho, ou o espelho do reflexo...
... Olha, questões sem resposta.
Debruça-se nas ondas, desesperada pela maré alta, que lhe afogue as lágrimas que correm, sabe-se lá bem porquê, ou de onde,


porque os olhos estão secos. A mente é que inunda.

Os dedos contorcem-se, retorcem-se, fixam-se uns nos outros, impedindo-se de agir, emaranhados e cruzados numa postura neutra, contida.
Desejam-se vícios antigos, imaginam-se vícios novos, rastos de sangue ou fumo no escuro, quem sabe qual.
Entranha-se o gosto pelo destrutivo, saudades de tudo o que se perdeu.

Quão mal fazia, mas como me atrai ainda. Em certos aspetos, olha... (desculpa)


é parecido contigo...

7 comentários:

  1. "Desejam-se vícios antigos, imaginam-se vícios novos" oh, e não é a vida isto? um misto de saudade com vontade de desvendar o que vem aí? olha, adorei...! e obrigada, muito obrigada. continua também sempre a escrever, e nunca te percas de ti própria:)

    ResponderEliminar
  2. recebo esse beijo com lágrimas nos olhos mas um sorriso enorme e um obrigada nos lábios. obrigada, pequenina <3

    ResponderEliminar
  3. o final.. como um murro na barriga. não necessariamente cruel, apenas desse jeito do amor.

    ResponderEliminar
  4. vim aqui deixar-te um beijinho enorme nesse coração amoroso!*

    ResponderEliminar
  5. "Quão mal fazia, mas como me atrai ainda. Em certos aspetos, olha... " É isso, isso mesmo.

    ResponderEliminar